26 de fevereiro , 2019

Museu reúne cadeiras ícones brasileiras como Irmãos Campana e Sérgio Rodrigues.

O mercado de design de mobiliário brasileiro, especialmente no que diz respeito a cadeiras, tem muito do que se orgulhar. São inúmeras peças que se tornaram ícones de desejo mundial, incluindo mobiliário de José Zanine Caldas, pai de Zanini de Zanine, idealizador do projeto do Museu das Cadeiras Brasileiras, que acaba de ser inaugurado em Belmonte na Bahia.

Idealizado juntamente com Daniel Katz e da Secretaria de Cultura e Turismo de Belmonte, o Museu é totalmente dedicado a essa peça que documenta a cultura material da sua época, tendências do momento e diferentes funções e status social, com organização do acervo de Christian Larsen, curador do The Metropolitan Museum of Art de Nova York.

No acervo, cadeiras de designers brasileiros como Irmãos Campana, Paulo Alves, Carlos Vergara, Aida  Boal, Joaquim Tenreiro, Carol Gay, Claudia Moreira Sallas, Domingos Totora, Estevão Toledo, Etel Carmona, Fernando Mendes e Flávio Franco.

“A cadeira tem um papel icônico na profissão do designer, especialmente por transitar com muita fluidez entre a usabilidade e a possibilidade de ser um ícone peculiar, transformando o ambiente em que está inserida”, comenta Zanine de Zanini.

Algumas peças do acervo:

Sérgio Rodrigues, 1978

Ricardo Fasanello, 1970

José Zanine Caldas, 1950

O Museu foi instalado na antiga residência onde José Zanine Caldas viveu até os 17 anos. O museu está aberto para visitação de quarta-feira a sexta-feira, de 9h às 12h e 14h às 17h, e aos sábados e domingos com agendamento pelos telefones (73) 99811-4261 e (73) 98107-1102.