2 de junho , 2022

Compartilhamos algumas maneiras simples de incorporar o design biofílico nos projetos de interiores e espaços comerciais

 

Foto: Rachel Claire/Pexels

 

O design biofílico conquistou o mundo da arquitetura. Difundido pelo biólogo Edward O. Wilson a partir da década de 80, quando lançou o livro com o nome Biofilia para explicar a afinidade inata dos seres humanos pelo mundo natural, essa conexão tem sido amplamente empregada para aumentar o bem-estar nas áreas de trabalho, hotéis, em hospitais e nas residências.

A redução dos níveis de estresse, auxílio na recuperação de pacientes e busca por maior produtividade e criatividade são alguns dos benefícios apontados pelo design biofílico. A consolidação desse movimento explica-se ainda, principalmente, quando consideramos o fato de que 80% da população vive em ambiente urbano e passa quase 90% do tempo em ambientes fechados, perdendo totalmente a conexão com a natureza.

 

Crédito: Divulgação/Todeschini

 

Mas quais são os principais conceitos do design biofílico?

 

Primeiro, busque estabelecer contato direto com a natureza. Para isso, pense no acesso à luz natural, vistas, contato com fontes de água, circulação de ar, sons e vegetação. Em segundo lugar, incorpore elementos análogos naturais ou evoque uma sensação de natureza através de outros materiais, cores, texturas, formas e modelos biomórficos. A proposta é criar lugares que tenham perspectiva, sensação de abrigo, mistério ou até algo inesperado.

No fim, o objetivo é que a soma desses recursos estimule respostas humanas ao espaço, que podem ser aspiracionais, calmantes ou restauradoras.

 

Crédito: Todeschini Praia Brava

 

Como é possível perceber, a tendência do design biofílico é uma estratégia que envolve respostas neurológicas precisas. É, de fato, muito mais amplo do que apenas adicionar uma paleta de tons verdes e plantas aos interiores. Trata-se de saber se um ambiente tem condições específicas e elementos capazes de melhorar o bem-estar de seus usuários, assim como a capacidade de revitalizar nossa relação com o meio ambiente.

Isso acontece porque o contato com a natureza desacelera os batimentos cardíacos e desencadeia a produção de outros hormônios compensadores. Além disso, a biofilia auxilia na redução da ansiedade e depressão.

 

Crédito: Divulgação/Todeschini

 

Como agregar o design biofílico aos projetos de arquitetura e interiores?

Compartilhamos algumas maneiras simples de agregar o design biofílico nos interiores e espaços comerciais.

 

Explore a luz natural | Ter grandes janelas ou portas duplas é uma ótima maneira de atrair luz natural nos interiores. Vale lembrar, a exposição ao sol também fornece a tão necessária vitamina D. Essa também é uma ótima maneira de reduzir a quantidade de tempo em que você precisa de “luzes artificiais” para iluminar os espaços e permite que você deixe o ar fresco entrar sempre que precisar.

Presença da água | Adicionar o som da água nos ambientes também pode proporcionar um efeito calmante e um vínculo com a natureza. Nesse sentido, aposte em jardins internos, fontes de água ou até mesmo em purificadores de ar que liberam aromas calmantes.

 

Crédito: Max Vakhtbovych / Pexels

 

Desfrute de um ar mais limpo com plantas | Existem plantas para todos os gostos, mas priorize opções que possam ajudar na purificação do ar, o que pode ajudar a dormir melhor e limpar o ar da casa. Além do aspecto decorativo, o projeto paisagístico também pode trazer paredes e telhados verdes com o objetivo de tornar os lugares mais acolhedores, agregando ainda em conforto térmico e acústico.

Aposte nos materiais naturais | Móveis com materiais naturais são uma ótima maneira de criar conexão com a natureza em sua própria casa. O uso de madeira maciça, lâminas naturais, couro, palha, lençóis de algodão e pedras são escolhas muito eficientes e que promovem um grande impacto na decoração. Reproduzir a sensação de estar na natureza por meio de materiais é uma ferramenta muito eficiente e também pode ser obtida com painéis BP, que oferecem diferentes padrões, tonalidades e texturas.

A própria linha de acessórios e artigos decorativos pode colaborar quando você tem a biofilia em mente. Nesse caso, priorize tapeçarias especiais e louças de cerâmica.

 

Crédito: Divulgação Todeschini

 

Cores calmantes e orgânicas | A paleta de cores também pode ser um trunfo na hora de criar um ambiente com a proposta do design biofílico. Para obter uma aparência natural, alie tons terrosos e neutros, mas isso não significa que outras cores devem ficar ausentes. Tons de azul, verde e até laranja e rosa podem integrar os projetos com muita naturalidade.

Natureza na arte | Nas residências onde não há uma bela paisagem do lado de fora da janela, como nos grandes centros urbanos, é possível fazer uso de obras de arte. Invista em fotografias de arte ou pinturas de oceanos, montanhas, vales ou jardins. Também é possível escolher artes abstratas em cores naturais.