26 de junho , 2019

Arquitetos e designers precisam pensar em interações e projetos que as pessoas possam aproveitar de forma genuína nos seus lares

 

Mindfulness é um termo emergente, mas, na prática, tem centenas de anos. O conceito de “consciência plena”, presente na meditação budista, é tentar estar mais presente na vida cotidiana, focando sua mente e sentimentos no “agora”. Por consequência, isso tende a melhorar o seu relacionamento com o seu entorno e com aqueles ao seu redor.

É fato que o estado de incerteza do mundo está tendo consequências claras para a saúde das pessoas. Vemos isso nas manchetes todos os dias: ansiedade, dependência e isolamento. Vivemos tempos de conexão extrema, mas nossos índices de solidão estão aumentando. Um olhar mais profundo sobre o tema revela que a raiz comum é a ausência de bem-estar emocional e mental.

E, sem dúvida, essa discussão não pode ficar de fora do mundo da decoração. A vida acelerada que levamos significa que é mais importante do que nunca tomar medidas para incentivar o estado de mindfulness. É preciso garantir que os projetos de interiores estimulem o processo de relaxar e manter uma mente saudável. Confira alguns caminhos.

 

Slow living

Muitos profissionais associam esse movimento mindfulness ao slow living. Esta filosofia, com origem no slow food, também busca um estilo de vida com mais equilíbrio, centrada em aspectos da vida cotidiana e direcionado ao consumo sustentável. Com isso, vemos a valorização das nossas raízes, aspectos artesanais e a priorização do que é essencial, sustentável e durável. O resultado é um espaço mais clean e harmônico.

 

 

Outras direções para o bem-estar

Em geral, esse movimento leva muitas pessoas a adotarem a proposta de “menos é mais”, que flerta com minimalismo. Contudo, para não tornar o ambiente frio, invista em peças de materiais naturais, como madeira, couro, cerâmica e cortiça. A singularidade dos materiais terrosos também acrescenta personalidade e calor ao lar. A luz natural também é um fator importante para a energia das pessoas e casas. Projetar formas de melhorar o sono também é uma forma de elevar a resiliência ao estresse e a melhor capacidade de gerenciar nossas emoções

Espaço gourmet x privacidade

Criar uma cozinha sociável ou área gourmet garantirá que o tempo gasto com os amigos não seja interrompido, já que o ato de cozinhar, beber e relaxar pode ser desfrutado por todos. A recente edição da feira EuroCucina reafirma que as cozinhas estão cada vez mais próximas de “restaurantes reais”, tanto em termos de aparelhos domésticos semi-profissionais como em termos da qualidade das refeições preparadas e consumidas.

 

 

Áreas de contemplação

 

Se o espaço permitir, crie um espaço na sala para momentos conscientes. Uma poltrona confortável de frente para o jardim permite que você se conecte com a natureza e lembre-se de buscar tempo para relaxar.

Confira a participação da arquiteta Debora Aguiar na Casacor São Paulo, que assina a Dolce Villa Todeschini, de 480 m². O projeto engloba hall, suíte com closet, living, sala de jantar e espaço gourmet, sendo que todos os ambientes são conectados a jardins.

Ficar offline

Você precisa mesmo olhar as mensagens assim que o aparelho sinaliza? Ou precisa conversar por programas de mensagem enquanto almoça? As tecnologias costumam ser “ladrões de tempo” na vida contemporânea. Pense nisso e avalie como administrar melhor a sua relação com os aparatos tecnológicos e as telas em geral, para garantir mais tempo de presença e atenção plena.

E nos seus projetos, como a proposta de mindfulness se manifesta para satisfazer as necessidades e valores humanos?

 

Conteúdo exclusivo Habitus Brasil