16 de abril , 2019

O artista Matthieu Robert-Ortis cria impressionantes esculturas que revelam uma nova forma visual quando muda-se o ângulo de visão

 

Esculturas com arame tem sido um meio muito comum usado por um crescente número de artistas, mas não há nada como a arte única de Matthieu Robert-Ortis.

O escultor francês, que só começou a mostrar seu trabalho há três anos, cria obras de arte em arame que são o que ele chama de esculturas anamórficas.

Ao contrário das esculturas de arame normais, de um certo ângulo suas obras parecem com um animal, mas se transformam em outra forma ao serem visualizadas de outra perspectiva.

O artista de 26 anos teve milhões de visualizações com seu trabalho mais popular, La révolution des Girafes, imagem em que traz um elefante de um lado e duas girafas de outro. Tudo muda dependendo da perspectiva do espectador.

Em entrevista ao site MalayMail da Malásia, Matthie contou como tudo começou:

“Quando eu era pequeno, eu estava interessado em esportes, tocava piano e violão e adorava escalada e slackline. Eu era rapper, mas depois achei a arte misteriosa. Queria aprender mais sobre isso, queria saber por que e como as pessoas criam arte. Então, fui para a escola em Paris em Lyon. Embora eu ainda desenhe e pinte, adoro esculpir. Este é meu meio e gosto de criar anamorfoses e metamorfoses. Hoje, os artistas que me inspiraram são George Rousse, Felice Varini e Markus Raets.

Minha primeira escultura foi feita com um carrinho de um supermercado. Quando pegamos ele, precisamos colocar € 1 para pegá-lo. Agora, esse € 1 está na minha assinatura. Quando eu coloco MRO como minha assinatura em minhas esculturas, eu substituo o O por um € 1. O dinheiro é um símbolo para mim. É também um símbolo dos problemas financeiros enfrentados pelos artistas e pelas artes.

Eu costumava fazer pequenos esculturas do retrato do meu rosto. Minha mãe viu uma delas e disse: ‘Oh, meu filho’ e pediu para que eu desse à ela. Ela pendurou isso uma casa, então quando um amigo viu a escultura, ela me disse que eu poderia ter uma exposição das minhas esculturas. Eu escutei e ela ajudou a organizar uma exposição do meu trabalho. Isso foi há três anos. Aqui estou hoje.

 Até agora eu criei aproximadamente 42 esculturas. 30 anamorfoses e 12 metamorfoses. Eu fiz homem-caranguejo, girafa-elefante, polvo-canguru e águia-zangão. Comecei a fazer a metamorfose há apenas nove meses, algumas são peças maiores e outras são peças menores. Cada peça terá um número no pedestal. Eu costumo fazer um pequeno protótipo primeiro e se eu gosto da peça, eu crio uma grande. Do desenho, criação ao acabamento, leva cerca de um mês ou dois meses para terminá-la.

Minhas criações são feitas principalmente da minha imaginação. Eu crio como se eu estivesse rabiscando no meu notebook. É aí que o desafio vem.

Eu também posso fazer esculturas de arame coloridas. Eu tenho uma peça com muitas cores, é UM material em metal com cores brilhantes. Nos últimos três anos, fiz sete exposições. Eu não esperava ser tão bem sucedido. Eu comecei com a arte porque queria ter essa experiência. Eu quero ganhar a vida como artista, mas o mais importante, eu também considero isso um desafio. Até Tim Burton já quis que eu criasse uma peça para o filme dele.”

 

 

Conteúdo Exclusivo Follow The Colours.