26 de janeiro , 2021

Esse conceito vai permear boa parte das nossas ações em busca de bem-estar, inclusive as escolhas para os projetos de interiores

Crédito: iStock

 

Se você pudesse nomear uma palavra para descrever o ano de 2020, qual seria? É redundante falar que tivemos um ano tumultuado. Mas, em meio à insegurança e incertezas, o ano que passou nos ensinou algumas lições muito importantes, pessoais e profissionais. E também nos deu a oportunidade de reavaliar muitas das nossas prioridades e qual caminho seguir em 2021.

Entre os fenômenos que irão nos guiar, fica evidente a nossa necessidade de reconexão – conosco, em primeiro lugar; mas também com o mundo que aspiramos.

Para muitos de nós, 2021 significará recuperar o que perdemos e encontrar novas maneiras de cuidar de nós mesmos, de nossas famílias e até de nossas comunidades. Em meio a essa necessidade coletiva de renovação, sem dúvida, vamos mudar a maneira como abordamos nosso bem-estar físico, emocional e espiritual. Por isso, reconectar-se ao que faz bem promete ser um dos grandes movimentos que veremos ao longo dos próximos meses.

 

Crédito: Todeschini

 

Espaços em transição

Uma reflexão dos últimos 12 meses alimenta um novo senso de perspectiva, onde podemos encontrar alegria em tempos difíceis e criar mudanças ao nosso redor. Logo, uma fase mais experimental se instala nos projetos de interiores, já que os clientes estarão em um estado de espírito exploratório, buscando e entregando-se a novas faces de sua própria personalidade.

Em momentos de necessidade, muitos tiveram que se refugiar na cozinha ou em outros cômodos da casa para trabalhar. Mas quando vida profissional e privada acontecem no mesmo lugar, você precisa de espaço para separar esses dois aspectos. Por isso, os hábitos cultivados ao longo do último ano também serão determinantes para essa repaginada da casa, o que permite a todos buscar novos pontos de reconexão.

 

Crédito: Pexels

 

Saudável é o novo luxo

 O legado da pandemia ainda será sentido por algum tempo e a casa como fator de cura permanece em nossos ideais; seja através do minimalismo ou de cores aconchegantes e reconfortantes. Na verdade, cada vez mais, o layout interno é redesenhado sob o prisma do bem-estar e otimização, e nos relatórios de inúmeras consultorias o mercado de “house coaching” surge com destaque.

Essa tendência, que mistura o design de interiores com técnicas terapêuticas, consiste em criar uma casa equilibrada, sustentável e carregada de energia.

Além disso, não se trata apenas de um impacto de curto prazo. A pandemia global fez com que as pessoas pensassem no envelhecimento. Em particular, como podem levar um estilo de vida saudável até a velhice, para que não tenham que depender do Estado ou dos sistemas de saúde para obter apoio. Esse cenário, particular em cada lar ou grupo familiar, vai exigir novas respostas e ações.

 

Crédito: Unsplash

 

Vida mais alegre

A qualidade do tempo gasto com amigos e familiares é outro ponto que será ainda mais valorizado. Alguns serviços de streaming, inclusive, já passaram a permitir que grupos de pessoas assistam a qualquer filme, show ou série ao mesmo tempo, em uma experiência de reprodução sincronizada, de onde quer que estejam. Nada substitui a experiência de passar o tempo fisicamente com aqueles que gostamos, mas a oportunidade de relaxar e compartilhar experiências é bem-vinda, especialmente em tempos de distanciamento social.

A arte de desacelerar e gratidão pelas pequenas coisas que oferecem bem-estar permanecem no mesmo radar. Afinal, mesmo passando mais tempo em nossas casas, a carga de trabalho e outras atribuições do dia a dia não diminuíram.

 

Crédito: Unsplash

 

Desintoxicação digital

A ideia de desintoxicação digital também está no topo da mente para muitos usuários, que podem dedicar uma semana ou um fim de semana inteiro para isso. Ao invés de navegar nas redes sociais, há mais tempo para caminhadas na natureza, meditação, momentos de leitura ou horas dedicadas a projetos criativos.

Esses processos nos ajudam a desconectar de todo o “ruído digital”, para que possamos reconectar-nos a momentos de bem-estar.

Vale lembrar, esses padrões de pensamento não estão circulando sem motivo, porque são essenciais para nós, humanos, especialmente em tempos complexos e difíceis. Precisamos deles para podermos ver nossas próprias necessidades, o que realmente desejamos e o que é bom para cada um nós.