27 de agosto , 2019

Nos tapetes de Vanessa Barragão ninguém quer pisar. A artista que nasceu em Albufeira, no sul de Portugal, tem seu trabalho pautado nas técnicas artesanais e fios desperdiçados na indústria para produzir têxteis inspirados em recifes de corais e outros elementos da natureza.

Vanessa criou o seu estúdio em 2014, quando fazia mestrado na Universidade de Lisboa em design de moda e têxteis. Lá desenvolveu sua primeira coleção de fios de lã e tapeçarias através de um processo artesanal ecológico.

Atualmente, mora em Porto, onde se situa o núcleo da indústria têxtil do país, e divide o seu tempo entre colaborar como designer para uma fábrica de tapetes artesanais e administrar o seu próprio negócio.

Vanessa conhece bastante dos processos químicos utilizados no tratamento e tingimento das fibras. Todo o maquinário usado no processo da fabricação de tecidos requer toneladas de energia enquanto produz também muitos resíduos e lixo descartável.

Isso é extremamente prejudicial para o mundo, além de afetar todo o meio ambiente, particularmente o oceano que absorve 90% da poluição atmosférica, ameaçando principalmente os corais.

A artista acredita no upcycling como o caminho para tentar lutar contra esse tipo de mentalidade. Portanto, todos os materiais utilizados em suas obras são provenientes do depósito de várias fábricas locais, que primeiro são limpos e depois selecionados para reciclagem e reutilização em seus projetos.

A produção de Barragão é totalmente artesanal. A artista utiliza técnicas ancestrais, feltro, tricô, macramê e crochê, resultando em lindas obras de arte.

O mais incrível de suas peças e instalações é que seus tapetes também são altamente sensoriais, e têm o propósito de fazer com que as pessoas se sintam em harmonia com seu próprio universo quando entram em contato com a superfície feita totalmente à mão.

“As minhas peças são inspiradas nos corais e tento reportar um bocadinho do que o aquecimento global e a poluição estão a fazer. Começa com uma profusão de cores – verdes, rosa, amarelo, coral – termina monocromático: os corais de lã também morrem. Os [corais] brancos são os mortos.”

Os corais, algas, animais marítimos, a botânica e outros elementos da natureza que sempre fizeram parte da vida da autora são seus temas mais abordados.

 

Para conhecer mais sobre o trabalho de Vanessa Barragão, visite o seu site. Acompanhe também seu Instagram e Pinterest.

 

Conteúdo exclusivo FTC.